POEMA PARA TEIXEIRA DE FREITAS                                                                                                                   

 

 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                   Eu te saúdo, ó grande mestre das leis,

         Saúdo o teu vôo de pássaro latino,

         Sol da justiça,

         Estandarte das leis.

        

Tua pregação civil fazia tremer os carrascos,

         Eras um profeta dos tribunais,

         Vigiavas a liberdade com olhos de criança,

         E temias a República feroz das guilhotinas.

          

A pátria Brasil tece um tributo de amor ao célebre filho,

         Que cantou o levante dos direitos do homem,

         Que acendeu a pira de luz nas tábuas da justiça,

         Que abriu os portões do código civil brasileiro ao mundo.

          

         Pilhas de palavras mágicas trouxeste para a aurora da liberdade,

         Rios de olhos decifraram os mistérios do direito,

         Nas tuas lições filosóficas.      

 

Abriste em luz o eclipse que cobria as leis da pátria,

         Trabalhaste a metáfora do direito nos tribunais,

         Ameaçaste o silêncio das tiranias,

Multiplicando as leis entre os rebanhos humanos.

 

Os salmos da justiça fizeste chegar aos reis e plebeus,

Numa grande ciranda de vozes em oração,  

         Tuas mãos de mago semearam centelhas de luz

         Nos Códigos Civis da América,

        

Oh, Teixeira de Freitas, astro de luz da Bahia,

Bendita a toga que cobriu os teus ombros de operário do direito,

És o albatroz do oceano da justiça em vôo sobre as águas da América,

Cavaleiro civil dos ofícios da leis.

 

Eu te vejo na Roma de Cícero arrancando relâmpagos da voz,

Eu te vejo na ceia do Cristo trocando a espada pela paz,

Eu te vejo nos guetos dividindo a justiça entre os homens,

Eu te vejo na tribuna das Universidades advogando o direito dos povos.

 

 

                                                                                               Edgard Larry – Poliana Policarpo